The diary of a madman -Part XIX


O som dos tambores era cada vez mais forte , tornando se cada vez mais difícil para ele conseguir suportar , pois dos seus ouvidos o sangue que saia já começava a ser com mais intensidade.

Os seus pais e o seu assassino continuavam a falar naquele estranho idioma, mas as vozes estavam cada vez mais fracas e quase que já não as conseguia ouvir . Além daquele horror de sangue que saía dos inúmeros ferimentos dos corpos de seus pais, o seu assassino parecia estar longe de se sentir satisfeito , ele não sabia como mas era um pensamento que lhe surgiu em seus pensamentos , após ouvir a voz de sua mãe … Ele ao mesmo tempo pedia misericórdia porque o que os seus pais estavam a sofrer era pior que uma tortura!

Era isso, pensou para si mesmo. O que aquele assassino invisível estava a fazer , era torturar os seus pais , fazendo os sangrar para os enfraquecer , e uma falsa esperança surgiu na sua cabeça. Talvez não seja para os matar…Mas rapidamente a lógica o chamou á triste realidade, pois sabia que eles tinham mesmo morrido , que essa realidade não poderia ser transformada nem negada , pois ele estava ali apenas como um espetador , e um inútil pois não podia fazer nada.

E novamente os tambores tocavam com mais força , com notas mais altas . Notas que sentia serem de festejo , como se anunciassem um grande acontecimento , algo digno de uma grande comemoração.

Tinha aquelas estranhas perceções, não conseguia entender porquê , embora continua se a ser séptico com tudo aquilo que não funciona se pela lógica , não podia continuar a negar que as suas perceções acabavam sempre por estarem certas!

Estava à beira do desespero pois estava encharcado no sangue de seus pais, estava novamente sem conseguir sair daquele sítio, não suportava mais as dores de cabeça e ouvidos que sentia e a vontade de não querer assistir à morte de seus pais crescia e dominava o cada vez com mais intensidade…

Sabemos que estás aí, mas é chegada a hora de ires embora… Vai meu filho, levas contigo algo mais importante que as nossas vidas… Vai, AGORA.. JÁ! Ouvi ele pela última vez a voz de seu pai…

Continua

7 comentários

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s